Reino Unido recebe 51 países para discussões sobre o clima antes da COP 26

0
7

Segundo o governo britânico, objetivo da reunião é construir consenso e esboçar principais linhas de decisões a serem tomadas na COP 26, que será realizada em novembro. Globo terrestre na conferência do clima de Madri, COP 25, em 13 de dezembro de 2019
Paul White/AP
O Reino Unido recebe neste domingo (25) ministros do Clima e Meio Ambiente de 51 países para conversas apontadas como “cruciais”. O encontro antecede a cúpula COP 26, que será realizada em novembro em Glasgow, na Escócia.
O ministro britânico Alok Sharma, presidente da COP 26, conduzirá a reunião de dois dias, que, segundo Londres, abordará “questões-chave a serem resolvidas” na cúpula.
Em nota, o governo britânico afirmou que Sharma “buscará construir um consenso e esboçar as principais linhas das decisões que espera que sejam tomadas em Glasgow”.
Mudança climática: veja como será a vida na Terra nos próximos 30 anos, segundo a ONU
Os ministros do Meio Ambiente e do Clima dos Estados Unidos, Índia e China serão alguns dos participantes do encontro a portas fechadas, que terá participação virtual e presencial. Segundo o governo do Reino Unido, representantes do Brasil também estarão na reunião.
Esta é a primeira reunião ministerial presencial desse tipo em mais de 18 meses.
“Estamos enfrentando tempos perigosos para nosso planeta e a única maneira de salvar seu futuro é os países estarem na mesma página”, disse Sharma.
“O mundo estará atento para ver se nos reunimos em Glasgow e fazemos o que for preciso para mudar as coisas nesta década decisiva”, acrescentou.
COP 26
O Acordo de Paris deve ser analisado em reuniões como a de Glasgow. Seu principal objetivo é limitar o aumento da temperatura média a menos de 2ºC, e a 1,5ºC, se possível.
O evento explorará temas como financiamento do clima, esforços de adaptação às mudanças climáticas e a finalização do “livro de regras” para a implementação do Acordo de Paris.
Espera-se que a COP 26 tenha a presença de negociadores de 196 países e da União Europeia, além de empresas, especialistas e líderes mundiais.

Fonte: G1 Mundo